Ligue (11) 3924.2320 ou 9 9366.3100 (WhatsApp) - Dias úteis das 10 às 18h

Q
Q

Qual a origem das notas musicais?

notas musicais

As primeiras imitações ou reproduções sonoras do ser humano, foram através do som dos movimentos corporais, acompanhados de sons vocais, ou seja, das palavras proferidas pelas cordas vocais.

Para algumas culturas a música teve uma “origem divina”, porque acreditavam que os sons foram-lhes dados por uma divindade. Noutras, a música tinha uma correspondência direta com o cosmos e com o movimento dos planetas. Assim apareceram as primeiras lendas sobre a sua origem.

Desde muito tempo atrás, as diferentes civilizações não só vivenciam a experiência musical, como também elaboram métodos e teorias capazes de padronizar um modo de se compor e pensar o universo musical.

Na Grécia Antiga, já observamos formas de registro e concepção das peças musicais através de sistemas que empregavam as letras do alfabeto grego.

Ao longo do tempo, várias foram as tentativas de sistematização interessadas em formular um modo de se representar e divulgar as peças musicais.

Na Idade Média, a questão da música foi assumindo uma importância muito grande entre o pessoal religioso daquela época. Por um lado, essa importância deve ser entendida porque os monges tinham tempo e oportunidade de conhecer todo o saber musical oriundo da civilização clássica através das bibliotecas dos mosteiros.

Por outro lado, também pode ser entendida porque o uso da música foi assumindo grande importância na realização das liturgias, que povoavam as manifestações religiosas da própria instituição.

Foi um monge francês, chamado Guido de Arezzo, nascido nos fins do século X, que organizou o sistema de notação musical conhecido até os dias de hoje.

Nos seus estudos, acabou percebendo que a construção de uma escala musical simplificada poderia facilitar o aprendizado dos alunos e, ao mesmo tempo, diminuir os erros de interpretação de uma peça musical.

Notas Musicais

Mas, restava um problema: De que modo seria criada essa tal escala?

Para resolver essa questão, o monge Guido aproveitou a letra de um hino cantado em louvor a São João Batista. Em suas estrofes, eram cantados os seguintes versos em latim:

“Ut quant laxis / Resonare fibris / Mira gestorum / Famuli tuorum / Solve polluti / Labii reatum / Sancte Iohannes”.

Uma tradução para nossa língua, seria: “Para que teus servos / Possam, das entranhas / Flautas ressoar / Teus feitos admiráveis / Absolve o pecado / Desses lábios impuros / Ó São João”.

Mas qual a relação da música com as notas musicais hoje conhecidas por nós?

Observando as iniciais de cada um dos versos dispostos na versão em latim, o monge praticamente criou as 7 notas musicais que usamos hoje.

Inicialmente, as 7 notas musicais ficaram convencionadas como “ut”, “ré”, “mi”, “fá”, “sol”, “lá” e “si”. O “si” foi obtido da junção das inicias de “Sancte Iohannes”, o homenageado da canção que inspirou Guido de Arezzo. Já o “dó” foi somente adotado no século XVII, quando uma revisão do sistema concebido originalmente acabou sendo convencionada.

 

As notas musicais, a matemática e a física

Foi graças a possibilidade de utilizar as ondas sonoras para transmitir informações, que levou o ser humano a desenvolver habilidades e instrumentos musicais para a produção de sons.

Existem sons que conseguimos ouvir (sons audíveis), que são usados para nossa comunicação direta, através da fala e também através da música. E existem sons inaudíveis para nós, humanos, que têm diversas aplicações em engenharia, ciências e medicina, principalmente na forma de ultrassom.

Com certeza a música é um perfeito exemplo da integração da arte com a matemática, a física e a tecnologia.

As notas musicais são sons com frequências determinadas, de tal forma que existe uma relação matemática e física exata entre elas.

A escala musical (conjunto de 7 notas musicais) nada mais é do que uma sequência de sons, disposta de forma ascendente ou descendente, de acordo com a frequência, na qual se fundamenta a música.

As escalas musicais são obtidas por meio de uma relação matemática bem definida entre as frequências de cada nota musical.

Na nossa cultura ocidental, usamos uma escala com 7 notas musicais, que na verdade, produzem 12 sons, pois existem 5 semitons. A música árabe usa uma escala com 16 notas e a música indiana, com 22 notas.

As escalas musicais usadas hoje em dia têm uma frequência básica (440 Hz) e, a partir desta, as demais notas são obtidas pela multiplicação ou divisão da nota anterior por um fator constante como em uma progressão geométrica.

O diapasão é um instrumento que pode fornecer essa frequência de 440 Hz, e que é muito usado por praticamente todos os grupos musicais. Veja um modelo de diapasão eletrônico aqui.

As notas musicais e as cifras

Cada nota musical pode ser representada através das sete primeiras letras do alfabeto, da seguinte forma:

A = Lá    B = Si    C = Dó    D = Ré    E = Mi    F = Fá    G = Sol

Na notação alemã, a letra B designa a nota si bemol, e a letra H é a nota si natural.

As letras podem fazer referência tanto a notas musicais isoladas quanto a acordes. Se elas estiverem escritas sobre um pentagrama ou pauta que contenha uma melodia, por exemplo, essas letras indicarão os acordes que constituem a harmonia da música.

Nestes casos, essas letras ganham o nome de cifras. Letras isoladas, escritas em maiúsculo, indicam os acordes maiores. A cifra dos acordes menores deve apresentar também a letra m minúscula ao lado.

notas musicais

 As notas musicais e a Pauta (ou Pentagrama)

Notas musicais são sinais que representam a altura do som musical. Para representá-las, bastam apenas sete notas:

DÓ – RÉ – MI – FÁ – SOL – LÁ – SI

O conjunto das 7 notas musicais sucessivas, com a repetição da primeira, chama-se ESCALA MUSICAL, que pode ser ascendente ou descendente. Por exemplo, a escala de Dó envolve as seguintes notas ascendentes: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si, Dó; e descendentes: Dó, Si, Lá, Sol, Fá, Mi, Ré, Dó.

Uma característica do som é a altura. Ela é determinada pela frequência das vibrações, ou seja, se o som tiver poucas vibrações, teremos um som grave; se o som tiver muitas vibrações, teremos um som agudo.

Na escrita musical, a altura é representada pela posição da nota no pentagrama e pela clave.

Notas dispostas em alturas diferentes e em ordem sucessiva, isto é, uma após a outra, num sentido horizontal, formam uma melodia. Quando as notas estão em alturas diferentes, mas em ordem simultânea, isto é, uma sobre a outra, temos os acordes musicais, que são a base da harmonia.

As notas musicais são representadas graficamente com sinais na forma oval que, dependendo da posição em que estiverem escritas no pentagrama, indicarão os sons mais graves ou mais agudos.

Pauta ou Partitura Musical é o conjunto de cinco linhas paralelas e horizontais e quatro espaços entre elas, onde escrevemos as notas musicais. Contamos essas linhas e espaços de baixo para cima.

Como só o pentagrama não é suficiente para exprimir todos os sons musicais, foram criadas as linhas suplementares, que são curtos segmentos de linha horizontal que atuam como uma extensão do pentagrama, mantendo o mesmo distanciamento das linhas da pauta normal.

Quando essas linhas são colocadas acima do pentagrama, elas representam os sons agudos. Abaixo do pentagrama, representarão os sons graves.

O nome das notas no pentagrama é determinado pela clave. Clave é um sinal colocado no início do pentagrama, que dá nome à nota escrita em sua linha. Existem 7 claves, sendo uma de Sol, duas de Fá e quatro de Dó.

Solfejo é a leitura de notas musicais na pauta. Existe o solfejo simples e o melódico, que identifica a altura das notas musicais. Conheça o método Bona Musical, talvez o mais usado método para leitura de partituras musicais!

Curiosidades sobre as notas musicais

  • Existem 7 notas musicais, 12 sons e 42 nomes!
  • O sistema ocidental usa 7 notas musicais, que com os semitons, chegam a produzir 12 sons diferentes – 12 notas musicais diferentes.

Os semitons, como já dito, são intervalos entre uma nota e outra, que podem ser representados por sustenidos (#) ou bemóis (b). Um sustenido sobe meio tom uma nota musical; um bemol desce meio tom uma nota musical. O bequadro anula o sustenido ou bemol.

  • Um mesmo som pode ter mais de um nome. Exemplos: Dó sustenido é o mesmo som de Ré bemol. Fá dobrado sustenido é o mesmo som de Sol.
  • Se fizermos as combinações possíveis, teremos então 42 nomes! Vejamos:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si – notas musicais naturais

Dó sustenido, Ré sustenido, Mi sustenido, Fá sustenido, Sol sustenido, Lá sustenido, Si sustenido

Dó bemol, Ré bemol, Mi bemol, Fá bemol, Sol bemol, Lá bemol, Si bemol

Dó dobrado sustenido, Ré dobrado sustenido, Mi dobrado sustenido, Fá dobrado sustenido, Sol dobrado sustenido, Lá dobrado sustenido, Si dobrado sustenido

Dó dobrado bemol, Ré dobrado bemol, Mi dobrado bemol, Fá dobrado bemol, Sol dobrado bemol, Lá dobrado bemol, Si dobrado bemol

Dó bequadro, Ré bequadro, Mi bequadro, Fá bequadro, Sol bequadro, Lá bequadro, Si bequadro

Olá, posso ajudar?
Clique e envie sua mensagem!
Powered by
0